TL11. lanterna mágica, por daniela busarello.

Magia
Mistério
Onirismo
Fantasia
Lusco-fusco
Imaginação
Voar por outros mundos, conhecer outros universos… voltar com alma nova.
Se reinventar… é somente para os corajosos.

São 15 minutos de filme mudo, Buñuel e Dali juntos. Un Chien Andalou, 1928. Para ver e rever cada sombra, luz, textura e loucura.
unnamed (54) unnamed (53)
#marco polo de saias: Leclettico, loja e galeria de Claudio Lora. Milano, since
Cada objeto, peça, mobiliário é único. Aliás, é o que anda no ar na atualidade, exclusividade. Leclettico é excêntrico. Quando visitei em abril, na sala principal, fui acolhida por uma escultura de gorila em escala real, em meio à plantas exóticas. Verde que te quero verde daqui do nosso Brasil, lá na Bella Itália. Caleidoscópio de culturas, texturas e geometrias. Tudo é estranho, tudo é lindo. Tudo é surpreendente. Ousar para comprar nesta lanterna mágica que ilumina com suas novas e antigas idéias, pinçadas, desenhadas e re-imaginadas com gosto, despojamento e sem preconceitos.

Leclettico. via san gregorio, 39, milano : www.leclettico.it

unnamed (55) unnamed (56)

#savoir_vivre:  Apartamento de Coco Chanel. 31 rue Cambon.
Emoção ao subir aqueles degraus onde Coco sentava para tudo observar e nada ser vista a cada desfile. Paredes envolvidas com espelhos, lanterna mágica… espelhos inspirados do Nu descendent un escalier , um quadro de Marcel Duchamp. Espelho cubista-futurista de Coco que era grande amiga e mecenas das artes de sua época. Depois de ter levitado sob os degraus, abrem-se as portas deste lugar sagrado feminino de uma mulher dama artista de força de ontem, hoje e sempre. Boiseries chinesas reinventadas à partir de biombos que vieram de terras longínquas. Lustres de cristal desenhados por ela, desenho ousado até hoje. Delicadezas de objetos, sempre de grande valor sentimental. Histórias de uma vida. Espelhos, dourados, rituais. Cada peça tem um elemento de superstição, de proteção, de convivialidade e generosidade consigo mesma e com seus amigos. Não se pode fotografar. Mostro as fotos históricas para deixar as cores e os perfumes para a imaginação.
 unnamed (57)
unnamed (58)
#memória : Piero Fornasetti: a loucura da praticidade, exposição no Musée des Arts Décoratifs de Paris até 14 de junho 2015 &  a sempre loja em Milão.
Sempre admirei a imaginação de Fornasetti: algumas peças em casa, livros e sempre referências de inspiração. Senhor criador dos anos 1913 aos 1988. Pela primeira vez, pude ver reunidas mais de mil peças do mago da Lanterna Mágica. Universo teatral, arquitetônico, de fantasia, trompe-lóeil de ilusões. Paisagens metafísicas, olhos, ouvidos, caras e bocas… Além de uma intensa e importante colaboração com o mestre da arquitetura, Gio Ponti. Criador prolixo incansável fascinante. Ao contrário do que se fazia em sua época, formas simples e refinadas, ele vai na direção oposta: ecletismo! Cria com humor, sonho e jogos de ilusão.
Se inspira de desenhos de arquitetura: da antiguidade romana, da renascença italiana, das obras de Palladio. De desenhos de natureza: borboletas, paisagens, peixes, flores e frutas. Desenhos de rostos e máscaras.
A exposição faz jus a todo seu trabalho: desenhos, pequenos objetos, lenços, bandejas, mobiliário, luminárias, instalações gigantescas em som e movimento. Tudo para valorizar cada traço deste apaixonado da leveza do ser.
unnamed (59) unnamed (60) unnamed (61)
#sacro: Christian Louboutin, 38-40 rue de grenelle & Galerie du Passage.
Privilégio de poder olhar cada uma daquelas capelinhas de acrílico transparentes que de maneira onírica fazem com que em um minuto de silêncio, um sapato de salto se torne uma joia, um desejo incontrolável de entrar, experimentar, desfilar um salto agulha vermelho. Privilégio de poder tudo saborear na calada da noite, sob a luz da lua. Horário perfeito para apreciar com todo o ritual e a sacralidade necessários.
Cores, formas, materiais ousados e femininos. Já estive em seu atelier. E uma exposição de fotos dele em conjunto com David Lynch. Os dois imaginando cenas sádico-masoquistas-poéticas com sapatos-arte: Fetiche. Túnel do tempo até 2012.
Faz poucos dias, re-abriu a icônica loja da tradicional Passagem Verot-Dodat. Dedicada à beleza, arquitetura do puro, filosófico e excelente Pierre Yovanovitch. Um espaço contemporâneo, galático, superfícies brilhantes e opacas, muita luz, pedestais para os frascos de esmaltes. Atrás as cores mudam, criando um efeito de caleidoscópio. Uma abertura entre os dois pisos dá  a idéia de uma luz do céu. Materiais preciosos: madeira queimada, pedra azul, paredes inspiradas do vermelho da porcelana Wedgwood… referências e gostos de Louboutin.
unnamed (62) unnamed (63)
#profano: Le Bains Paris, 1885, 1978. Em 2015 arquitetos Tristan Auer e Denis Montel do escritório RDAI.
Um lugar de ousadia e luxo.
Construído em  1885 para abrigar as grandes termas da capital. Foi um templo de massagens e banhos dos mais exóticos: japonês, russo, turco. Era possível nadar na piscina ou ter um “banho” sob medida em casa ou ainda encontrar seus clientes intelectuais e artistas como Proust. Em 1978 se tornou uma grande sala de rock e o grande clube para dançar de Paris. Sex, drugs and Rock’n'roll:  Andy (Warhol), Basquiat, Yves (Saint Laurent, Lagerfeld), Naomi (Campbell),  Bono, Prince, Bowie, Mick (Jagger) música, dança e mergulho na piscina… decorado por um desconhecido da época… Philippe Starck. Em 2013 se transformou em uma residência de artistas, onde mais uma vez mostrou sua veia de lugar mítico. Hoje, ressurge com exclusivos 39 quartos de hotel, e um restaurante onde era o antigo resevatório de água. O tão famoso xadrez preto e branco da pista de dança foi conservado, mas hoje é o restaurante pilotado pelo chef Philippe Labbé, duas estrelas Michelin. As cores das paredes são Bordeaux, como o vinho. O forro parece ondular para cá e para lá… dançando talvez. Les Bains valoriza sua história e se reinventa de maneira exuberante, impressionante e cinematográfica.
Le Bains Paris, 7 rue du Bourg-l’Abbé, 75003, Paris: https://www.lesbains-paris.com/
unnamed (65) unnamed (64)
#savoir_faire: Karl Mazlo jóias-arte.
Através de exposições temáticas e temporárias, a galeria LA Joiallerie por Mazlo explora a riqueza de toda sua expressão da alta joalheria-miragem-sonho-lirismo. É arte, sentimento, vida e alma pessoais transcritas em ouro, pedras preciosas e fantasias autênticas. A dinastia foi fundada em 1470, como uma alquimia baseada nos valores da escuta e do tempo. A fonte de inspiração é interminável. Ela vem do trabalho sob-medida e da análise da personalidade e das histórias pessoais que se transformam em palavras, emoções e um objeto que vai perpetuar uma lembrança ou experiência. Uma proposta-comportamento que vai contra a o que dita a moda. É fora de moda. O objeto deve ser atemporal e se transmitir de geração em geração, perpetuando a história vivida por aquele indivíduo.
http://www.lajoiallerie-par-mazlo.fr

unnamed (66) unnamed (67) unnamed (68)

#lux: Fondazìone Prada, Milano. Arquitetura: OMA, Rem Koolhas, Chris van Duijn e Federico Pompignoli, 2015.
Aproveitando o momento da EXPO Milano e da Bienal de Arte de Veneza, a Prada abre sua Fundação em Milão. São 19 mil metros quadrados que abraçam a arquitetura existente de uma antiga destilaria: sete edifícios com elementos contemporâneos, três novos edifícios: museu de exposições temporárias, cinema e auditório multimídia e a galeria-torre de dez andares que abriga a coleção permanente. Interação, conjunto de fragmentos que criam diversas imagens e que um não domina o outro. Variações espaciais: novo, antigo, horizontal, vertical, largo, estreito, branco, preto, aberto, fechado… contrastes estabelecidos que definem a nova fundação: instável, aberta de espírito, sem preconceitos. Onde arte e arquitetura vão se beneficiar uma da outra.
Abre com duas exposições: Milano e Venezia. A primeira de “clássicos”, sob os olhos dos co-curadores: Salvatore Settis e Anna Anguissola (9 maio à 24 agosto), a segunda, de “clássicos portáteis” dos co-curadores: Salvatore Settis e Davide Gasparotti . Esta explora o conflito da relação entre os originais e as imitações na cultura romana. Examina as questões das reproduções e apresentação. Mostra a análise dos originais perdidos contra as múltiplas cópias. Reflexo do nosso mundo de hoje. Fotos by Charlie Koolhas (Milão).
Fondazione Prada Milão: Largo Isarco, ao sul do centro da cidade. Fondazione Prada Veneza: Ca’ Corner della Regina.
unnamed (69) unnamed (70)
#meu luxo mundano: ter os MOSE expostos à venda na boutique do Musée des Arts Décoratifs de Paris: vasos desenhados por mim, soprados em Murano, assinados e numerados.

One Response

Leave a Reply

Your email address will not be published.