O turismo e as experiências de luxo

Postagem 01

Que o luxo está voltado às experiências, já sabemos, mas quais empresas exemplos no mundo são contratadas para proporcionar experiências em seus clientes deste mercado? Fui atrás da Abercrombie&Kent, agência de turismo internacional referência no mundo todo no assunto. O entrevistado da matéria é o curitibano Gabriel Storck, que atualmente reside em Londres e percorre o mundo testando experiências para compor pacotes inesquecíveis aos seus clientes.

Na entrevista inédita, falamos além das experiências, mas também do perfil de quem quer trabalhar na área e das oportunidades aqui no Brasil.

Adriano Tadeu Barbosa: Gabriel, obrigado pela oportunidade. Traga um pouquinho pra gente o que é o mercado de luxo atual e o que você tem visto pelo mundo?

Gabriel Storck: O que eu tenho visto viajando muito, principalmente pela Europa, que é a minha área de atuação, é que realmente o mercado de luxo pode se resumir a experiências e a qualidade dos serviços, a qualidade de atendimento que você presta para os clientes, que estão esperando sempre algo a mais. Falando de turismo, os clientes que viajam já cansaram do mesmo, então, hoje, o que eles buscam são experiências que vão levar para o resto da vida. Definimos o mercado de luxo no turismo basicamente com experiências que são coisas que os clientes não vão esperar que você vá fazer para eles, coisas que ninguém mais fez, e que são experiências para toda uma vida, que são além de um produto. Passamos da fase onde luxo, que era o que você adquiria, muitas vezes um produto que as outras pessoas podem ter também, para uma relação do que você vive, o que você experimenta, porque isso também te transforma como pessoa e acaba enriquecendo sua cultura e conhecimento da história.

Adriano Tadeu Barbosa: Dá um exemplo pra gente dessas experiências proporcionadas pela agência.

Gabriel Storck: Existem experiências ao redor da Europa inteira, eu falo mais de Europa porque é o mercado que eu represento, que o cliente pode levar para a vida, por exemplo:  Temos uma experiência na Rússia, onde a gente consegue pegar o cliente em Moscou e levar até ao redor da cidade, com uma hora de distância, e ali, ele passa a tarde em um cookpit, fazendo um treinamento, se veste como um piloto de Caça, e durante a tarde voa em um legítimo Caça Russo, junto com o piloto da força área russa. Essa é uma das experiências que os clientes atuais têm buscado. Hoje, ele quer poder fazer, aprender a desenhar algo e levar pra ele, por exemplo. Na Itália temos uma oficina, um ateliê de frescos no norte italiano, onde levamos o cliente que tem interesse maior por arte e história, e conseguimos fazer com que ele aprenda, de acordo com as técnicas que existiam antigamente, como se pinta frescos, uma pintura em paredes da época da renascença italiana, usada na idade média. Depois de pintar e aprender, ele ainda pode levar a obra para casa.

Adriano Tadeu Barbosa: E isso está de todos os segmentos, você falou um pouco de aventura, a questão de arte, história, isso está na moda, na gastronomia e na hotelaria também?

Gabriel Storck: Isso está na gastronomia, com você aprendendo a fazer seu próprio vinho, você aprendendo como se faz a tradicional pizza romana e depois degustando ela dentro de um restaurante tradicional romano, que foge da parte turística, isso entra na moda, com você tendo acessos exclusivos e fechando lojas, por exemplo, a Harrods, em Londres, e tendo uma assistência de um concierge personalizado de uma pessoa que é um designer, que é alguém especialista. Isso entra também na área de aventura, como a gente falou, na área de história, onde outro exemplo na Rússia, você pode ter uma reunião com um ex-espião da KGB, que trabalhou por mais de 30 anos na área, e que vai sentar com você durante um jantar informal para contar as experiências dele. Então, são coisas que a gente consegue fazer hoje no mercado de turismo de luxo, que hoje é o que acaba definindo o mercado em si.

Adriano Tadeu Barbosa: E é um mercado para todos, Gabriel? Como você pode decifrar isso?

Gabriel Storck: É um mercado para todos? Eu diria que sim. Porque quando você fala de turismo de luxo existem várias vertentes, existe a vertente da hotelaria, existe a vertente dos serviços, dos voos, então existe um público hoje, que é um público que não está dentro do cinco estrelas, não é um público de alto luxo, mas eles entendem o novo conceito de viagem, eles entendem que às vezes vale a pena ficar em um hotel três estrelas, não ter um serviço de traslado privado, ter um serviço de transfer público, mas ao mesmo tempo eles pegam esse dinheiro e investem em algo que tem valor para eles, que é uma experiência. Então, eu acho que é até uma tendência, não só no mercado de luxo, mas em todo o turismo que é vinculado às experiências.

Adriano Tadeu Barbosa: Mercado de Luxo para todos na questão das experiências, mas eu tenho certeza, que você vai concordar comigo, que não é todo mundo que consegue trabalhar com o mercado de luxo? Por quê?

Gabriel Storck: Exatamente. Trabalhar com o mercado de luxo, creio que em todos os segmentos, demanda muita atenção aos detalhes, demanda muita pró-atividade e demanda paixão. Porque é um mercado que exige o máximo, é um mercado onde nosso cliente final sabe o que quer, e se ele não sabe o que ele quer, ele espera que você saiba, então, a gente precisa estar consciente que a nossa missão é servir e saber servir. Porque se a gente erra, se a gente não sabe servir, se não tem atenção aos mínimos detalhes, não conseguimos nos encaixar neste mercado. É um mercado que demanda e demanda muita atenção e um serviço de muita qualidade.

Adriano Tadeu Barbosa: E pra saber servir você tem que se especializar sempre, ter novas experiências, se abrir realmente, ler várias coisas, ter vários contatos, ter vários insights.

Gabriel Storck: Exatamente, é uma área muito abrangente, porque você precisa de networking, você precisa conhecer pessoas novas o tempo todo, pra você estar antenado no que está acontecendo no mundo do luxo, você precisa de instrução teórica, para você aprender o grosso modo, aprender o básico daquilo que você precisa para entrar no mercado de luxo e isso entra também na questão de você ser um pouco autodidata, de procurar através de canais de youtube e instagram pessoas que tem nome, que são reconhecidas, como você, Adriano, que pode dar um feedback sobre o mercado de luxo. Isso é pró-atividade que se reflete não só no trabalho em si, quando você está trabalhando com o mercado, mas no seu estilo de vida, porque você tem que estar o tempo todo prestando atenção no que está acontecendo para você criar musculatura nesse mercado.

Adriano Tadeu Barbosa: Você é um Curitibano que foi se formar lá fora e hoje trabalha com o mercado de luxo. Você ascendeu sua carreira como você quis. Que dica você traz pra gente? Primeiro conta um pouquinho da sua história e depois a dica.

Gabriel Storck: Sou Curitibano e sempre tive um sonho de estudar nos EUA, eu sempre quis fazer minha graduação por lá, e eu nunca desisti. O primeiro conselho que eu dou é nunca desistir daquilo que a gente quer. Eu fui jogando futebol para os EUA e durante três anos eu tive lesões e não pude chegar a completar a minha ida para lá. No terceiro ano eu continuei tentando, fazendo fisioterapia, consegui, fui para os EUA e me formei com uma bolsa de estudos, até começar a trabalhar na Abercrombie&Kent, em Chicago, uma das sedes da empresa. E as coisas foram acontecendo. Depois eu fui transferido para a Europa, trabalho hoje para a sede da empresa que fica na Inglaterra, e represento a empresa pra América Latina. Viajo pela América Latina e pela Europa também. Mais dois conselhos: primeiro a gente nunca pode desistir daquilo que a gente ama fazer, e daquilo que a gente quer, como já falei. Sempre, eu tenho um lema pra mim, que sempre quando você quer fazer algo que é certo, sempre vão aparecer empecilhos que é para te testar e ver até onde você vai. E o segundo lema, que eu aprendi trabalhando com esse mercado, tudo que você fizer, faça bem, faça como você queira que os outros façam para você, faça com perfeição, para você não chegar a uma situação que é muito típica nesse mercado de luxo que é você apresentar um produto, apresentar um serviço e o cliente olhar para você e falar que você poderia ter feito melhor. Então, ainda que você faça o seu melhor e aquilo que você estava esperando não se concretize, você pode dormir com a consciência limpa de que você deu seu máximo. Esses são os dois lemas que eu levo pra mim.

Adriano Tadeu Barbosa: Assim você se vende para o mercado de luxo, você faz marketing pessoal?

Gabriel Storck: É assim que eu me vendo, que eu trabalho com os nossos parceiros, é sempre fazendo meu melhor, deixando claro que sempre que eles precisam de algo da empresa, eu vou além, porque fazer o que eles precisam é essencial para todos nós que queremos trabalhar com esse mercado, é um mercado que tem uma demanda e quem não consegue atender talvez não dure, mas quem consegue atender, consegue subir.

Adriano Tadeu Barbosa: Você então diz que quem é o mediano não fica no mercado de luxo, se você quer entrar, entre com tudo, faça muito mais do que você pode fazer. Isso?

Gabriel Storck: Exatamente, porque é um mercado que vai lhe exigir todos os aspectos possíveis, desde a tua classificação acadêmica, a tua qualificação cultural, a maneira como você se enxerga a sua autoconfiança, porque você vai precisar de muita autoconfiança para não ser um profissional mediano. Um profissional que gosta de fazer as coisas em um formato quadrado e sempre espera que seja daquela maneira, não vai durar, não tem chance.

Adriano Tadeu Barbosa: Para finalizar, para onde vai o mercado de luxo na sua opinião? Quais são os próximos passos? Como você vê esse andar da carruagem?

Gabriel Storck: Eu vejo o mercado de luxo caminhando ainda mais para um conceito clean, um conceito mais limpo, onde haja descrição e uma excelência em qualidade de serviço para surpreender ainda mais o cliente. Eu acho que a gente passou dessa fase do mercado de luxo estampado, onde você enxergava sinais em todos os lugares, e a gente está caminhando cada vez para um mercado de luxo discreto, clean, excelente no que ele faz na questão de serviços.

Adriano Tadeu Barbosa: Para incentivar os leitores, temos oportunidades?

Gabriel Storck: Muitas oportunidades. Eu vivi algum tempo fora do Brasil, hoje venho para o Brasil como parte da América Latina, e como parte do mercado existem muitas oportunidades para quem quer trabalhar com o mercado de luxo e com o mercado de turismo também que é a área que eu trabalho. Mas de novo: há necessidade de profissionais que tem corpo e alma, que mergulhe completamente nisso e que sejam apaixonados pelo que fazem. Para profissionais bons, sempre vão ter oportunidades.

Leave a Reply

Your email address will not be published.