As experiências muito além dos produtos

01

Mesmo quem não é fã da sétima arte sabe que o Netflix é uma das melhores plataformas para assistir aos sucessos do cinema e às mais divertidas e inovadoras séries de televisão. Não é sem motivo que o mais famoso provedor de streaming da atualidade se tornou uma espécie de sinônimo de diversão quando o assunto são as produções audiovisuais.

O sucesso de Netflix é tamanho que um dos maiores bancos do mundo, como estratégia comercial para aumentar o número de clientes, está oferecendo aos assinantes do portal de vídeos que realizam o pagamento através de cartão de crédito, o sorteio de pacotes de viagem cujo destino é os estúdios em que as séries são produzidas.

O marketing do banco, que se utiliza da revolução que o sistema vem promovendo nas formas com que se assiste televisão, tem como objetivo proporcionar aos clientes algo único e inesquecível, ou seja, uma verdadeira experiência de vida. As instituições financeiras, tradicionalmente, remetem a valores como aumento do patrimônio e a concentração de recursos, por isso é interessante perceber que o investimento nas experiências vem se consolidando como uma ferramenta estratégica das organizações dos mais diversos segmentos.

Um relógio para se tornar um ícone, por exemplo, não pode se limitar à tecnologia e ao design. É preciso ir além e literalmente contar uma história que dialogue com o desejo e os anseios do público. O mesmo serve para uma bolsa ou uma carteira de couro, para fica em apenas mais dois exemplos. Não basta apenas um acabamento sofisticado que atenda às tendências da moda. É imprescindível transcender o óbvio e pensar na sustentabilidade das ações e no tratamento da matéria-prima, valorizando a natureza e o material humano.

Gerar vivências que agreguem valor ao cotidiano dos clientes se tornou um dos principais diferenciais competitivos no mercado atual. Se qualidade, atemporalidade e originalidade sempre se constituíram como alguns dos principais atributos dos bens de luxo, atualmente a escolha de um produto percorre caminhos muito mais difusos, mas que quase sempre, tem como destino o prazer da experiência.

Crédito da imagem: Reprodução.

One Response

  1. João Henrique Rizzon

    Olá Manu,

    Matéria muito interessante. Realmente sempre temos que aprender a construir pontos que se conectem no desenvolvimento de produtos e/ou serviços. Uma história bem contada possuí maiores chances de fazer sentido ao público cliente.

    Continue promovendo assuntos como este, são revigorante e me deixam entusiasmado com o mercado.

    Atenciosamente,

    João H. Rizzon

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.